Produção e renda nos assentamentos rurais da região de Andradina-SP

Aparecido Donizete Pires de Oliveira

Resumo


Os assentamentos rurais representam uma importante iniciativa no sentido de gerar empregos diretos e indiretos a baixo custo e estabelecer um modelo de desenvolvimento agrícola em bases mais equitativas no Brasil. Na região de Andradina-SP, a partir da década de 1980, ocorreu a implantação de um razoável número de assentamentos rurais. O objetivo deste trabalho é apresentar e analisar informações referentes à produção e à renda dos assentados da região de Andradina. Foram aplicados questionários com os responsáveis por 244 famílias, que correspondem a 10% do total de famílias de 30 assentamentos da região de Andradina. A pesquisa envolveu dados quantitativos descritos e sistematizados utilizando planilhas do programa Microsoft Excel. A partir disso, as informações foram analisadas de forma qualitativa de maneira a apreender seu significado, a partir da realidade mais ampla que compõe a questão agrária na região de Andradina. A maioria (78,2%) dos assentados trabalha exclusivamente no seu lote, 18,1% trabalham fora e 3,7% trabalham dentro e fora do seu lote. O trabalho agrícola e não agrícola, exercidos de forma complementar pelos membros das famílias que residem no lote, frequentemente se deve à pouca disponibilidade de terra, às dificuldades de modernização e incentivos por parte do governo, o que compromete sua renda, obrigando essas pequenas unidades a buscar uma alternativa complementar de renda para a família. 64,3% dos assentados da região de Andradina recebem algum tipo de benefício, seja ele aposentadoria rural ou urbana, auxílio doença, auxílio maternidade ou Bolsa Família. A renda média mensal auferida pelos assentados da região de Andradina é de 1,7 salários mínimos. As atividades produtivas que proporcionam maior renda para as famílias dos assentados são a pecuária (66,2%) e a agricultura (18,0%).


Palavras-chave


Assentamentos rurais; Lote; Renda; Produção.

Texto completo:

PDF

Referências


BIOLCHI, Marilza Aparecida. Agricultura familiar e previdência social rural: efeitos da implementação do sistema de aposentadorias e pensões para os trabalhadores rurais. 2002. 184 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

BITTENCOURT, G. A. Abrindo a caixa preta: o financiamento da agricultura familiar no Brasil. 2003. 222 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente) - Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

BORGES, Maria Stela Lemos. Terra: ponto de partida, ponto de chegada. São Paulo: Anita Garibaldi, 1997.

BRUNO, Regina Angela Landim; DIAS, Marcelo Miná. As políticas públicas de crédito para os assentamentos rurais no Brasil: relatório de consultoria. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: http://www.mda.gov.br/portal/nead/arquivos/download/arquivo_274.pdf?file_id=4301721>. Acesso em: abr. 2012.

CARVALHO, Lívia Hernandes. As Condições de Vida dos Assentados da Região de Andradina: a realidade e os indicadores de avaliação da política pública de reforma agrária. 2013. 230f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca 2013.

____________. A Trajetória de Vida dos Assentados de Primavera e Belo Monte. 2008. 171 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca 2008.

CORDEIRO, Angelaet al. Reforma agrária e crédito rural: PROCERA – experiência de acompanhamento a assentamentos. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1991. (Cadernos de TA).

DELGADO, Guilherme Cassel.; CARDOSO JÚNIOR, José Celso. Principais resultados da pesquisa domiciliar sobre a previdência rural na região sul do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. IPEA, 2000. (Texto para discussão, n. 734).

FERNANDES, Bernardo Mançano. Questão agrária, pesquisa e MST. São Paulo: Cortez, 2001.

GROSSI, Mauro Eduardo Del; SOUZA, Marcelino de; SILVA, José Graziano da. O novo rural paranaense In: CUNHA, Marina Silva da; SCHIKIDA, Pery Francisco Assis; ROCHAJUNIOR, Weimar Freire da. (Org.). Agronegócio paranaense: potencialidades e desafios. Cascavel: Edunioeste, 2002.

HEREDIA, Beatriz et al. Os impactos regionais da reforma agrária: um estudo sobre áreas selecionadas. Rio de Janeiro: CPDA : Ed. UFRRJ : PPGAS/MN : Ed. UFRJ, 2002. (Relatório resumo executivo).

HESPANHOL, Antonio Nivaldo, COSTA, Vera Mariza H. de Miranda, ESPÍRITO SANTO, Carlos Roberto. Os assentamentos e os reassentamentos rurais na região de Andradina – SP. In: BERGAMASCO, Sonia Maria Pessoa Pereira; AUBRÉE, Marion; FERRANTE, Vera Lúcia Silveira Botta. (Org.) Dinâmicas familiar, produtiva e cultural nos assentamentos rurais de São Paulo. Araraquara: Ed. UNIARA; Campinas: Ed. FEAGRI : Ed. UNICAMP; São Paulo: INCRA, 2003.

KAUTSKY, Karl. A questão agrária. Porto: Portucalense, 1972.

LEITE, Sérgio Pereira et al. Impactos dos assentamentos: um estudo sobre o meio rural brasileiro. São Paulo: Ed. UNESP ; Brasília, DF: NEAD, 2004.

LOPES, Eliano Sérgio de Azevedo. Assentamentos rurais e desenvolvimento local: dimensões econômicas e sóciopolíticas e redes sociais no campo sergipano. 2000. 400 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

MORAIS, J. E. O Programa de Crédito Especial para a Reforma Agrária – PROCERA – e suaaplicação em Sergipe. Aracaju: Universidade Federal de Sergipe, 1996. (Relatório de Pesquisa).

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. Modo capitalista de produção e agricultura. São Paulo: Ática, 1986.

______. O campo brasileiro no final dos anos 80.Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 66, p. 5-22, 1988.

______. Barbárie e modernidade: as transformações no campo e o agronegócio no Brasil. Terra Livre, São Paulo, ano 19, v. 2, n. 2, p. 113-156, jul./dez. 2003.

REZENDE, Gervásio Castro de. Programa de Crédito Especial para a Reforma Agrária (PROCERA): institucionalidade, subsídio e eficácia. Rio de Janeiro: IPEA, 1999. (Texto para debate, 648).

ROMANO, Jorge O.; BUARQUE, Cristina M. Crédito e gênero no nordeste brasileiro. Rio de Janeiro: ASPTA, 2001.

SANT’ANA, Antônio Lázaro et al. Estratégias de comercialização e geração de renda em dois assentamentos da região de Andradina. In: BERGAMASCO, Sonia Maria Pessoa Pereira; AUBRÉE, Marion; FERRANTE, Vera Lúcia Silveira Botta. (Org.). Dinâmicas familiar, produtiva e cultural nos assentamentos rurais de São Paulo. Campinas: FEAGRI : Ed. UNICAMP, 2003.

______. et al. Estratégias de produção e comercialização dos assentados da região de Andradina – SP. Informações Econômicas, São Paulo, v. 37, n. 5, p. 29-31, maio 2007.

SCHNEIDER, Sérgio. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 99-121, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1980-3575 Revista Interatividade © 2019 Firb Editora - Faculdades Integradas Rui Barbosa