Condicionantes para o crescimento dos empreendedores individuais formais e informais

Raquel Prediger Anjos, Marcelo Chaves de Jesus, Luiz Panhoca, Ademir Clemente

Resumo


O objetivo deste artigo é investigar as diferenças nos Condicionantes para o Crescimento Empresarial entre Empreendedores Individuais formais e informais. Com base na Teoria do Crescimento da Firma foram elencados como condicionantes para o crescimento a decisão, o uso de recursos e as oportunidades de negócio. O trabalho foi elaborado a partir da pesquisa do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) de modo que se pudessem verificar as diferenças entre empreendedores individuais formalizados e não formalizados adotando-se como método estatístico a Análise de Variância (ANOVA). Os resultados indicam que os empreendedores formais contratam maior número de familiares, percebem seus produtos como mais inovadores, exploram mais oportunidades, dão mais autonomia aos funcionários, investem mais em cursos para a gestão do negócio, são mais jovens e sentem maior necessidade de recursos financeiros para o negócio. Por outro lado, características dos empreendedores informais foram destacadas na análise do uso de recursos materiais e tecnológicos como iniciativas de formação profissionalizante. A pesquisa ainda constatou que os empreendedores individuais em geral percebem a independência como uma das principais motivações para abrir o negócio.

Palavras-chave


Empreendedorismo; Informalidade; Motivação; Oportunidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ADIZES, I. Os ciclos de vida das organizações: como e por que as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. São Paulo: Pioneira, 1988.

ANJOS, Raquel Prediger. Acesso ao Crédito: Fatores gerenciais determinantes ao Microempreendedor Individual. Novas Edições Acadêmicas, Saarbrücken, 2015.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management. v. 7, n.1, p. 99-120, 1991.

BARNES, J. W. Statistical analysis for engineers and scientists: a computer based approach. New York: McGraw-Hill, 1994 apud MAROCO, J. Análise estatística: com utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Sílabo, 2007.

BAUM, J.R.; LOCKE, E. A.; SMITH, K. G. A multidimensional model of venture growth. Academy of Management Journal, v. 44, n. 2, p. 292-303, 2001.

BRASIL. Lei Complementar nº 128/08, de 19 de dezembro de 2008. Micro Empreendedor Individual – MEI.

CHURCHILL, N. C.; LEWIS, V. L. The five stages of small business growth. Harvard Business Review, n. 61, p. 30-50, 1983.

GRANT, R. M. The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review. v. 33, n. 3, 1991.

GRECO, S. M. S. S. et al. Empreendedorismo no Brasil: 2008. Curitiba: GEM; IBQP, 2009.

HAMBRICK, D. C.; MASON, P. Upper echelons: the organization as a reflection of its top managers. The Academy of Management Review, v. 9, n. 2, p. 193-206, 1984.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Economia informal urbana: 2003. Rio de Janeiro: IBGE, 2005. Disponível em: Acesso em: 07/09/2011.

JONES, O.; MACPHERSON, A.; THORPE, R.; GHECHAM, A. The evolution of business knowledge in SMEs: conceptualizing strategic space. Strategic Change, v. 16, p. 281-94, 2007.

JUCHEM, D. M.; LOVATTO, S. D. Sistema de gestão relacionado ao gerenciamento, sucessão e comportamento nas empresas familiares. Seminários em Administração SEMEAD-FEA/USP (7). Anais... São Paulo: 10 e 11 de agosto de 2004. Disponível em

KING, S. Entrepreneurs “measure of success”. In. World Conference of International Council for Small Business (ICSB). (47). Porto Rico: 2002.

KIRKWOOD, J. To grow or not? Growing small service firms. Journal of Small Business and Enterprise Development. v. 16, n. 3, New Zealand: 2009.

KORNIJEZUK, F. B. S. Características empreendedoras de pequenos empresários de Brasília. 2004. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação – FACE, PPGA, Universidade de Brasília, Brasília: 2004.

LOPES JR, G. S.; SOUZA, E. C. L. Atitude empreendedora em proprietários-gerentes de pequenas empresas. Construção de um instrumento de medida. REAd 48. ed. v. 11, n. 6, Nov./Dez. 2005.

MANAGEMENT SYSTEMS INTERNATIONAL (MSI). Treinamento empresarial e fortalecimento do desempenho empresarial. Relatório final de pesquisa. n. 1. Boston: MSI, Out. 1999.

MAROCO, J. Análise Estatística: com utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Sílabo, 2007.

MAZZAROL, T.; REBOUD, S.; SOUTAR, G. N. Strategic planning in growth oriented small firms, International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, v. 15 n. 4, p. 320-345, 2009.

MEIRA, A. E. C. P.; ROCHA, F. B.; COSTA, L. S.; SILVA, W. V. Avaliação do grau de empreendedorismo de empreendedores por necessidade. Diálogo e Interação, v. 2, 2009. Disponível em: Acesso em: 01/02/2011.

MORENO, A.; CASILLAS, J. High-growth SMEs versus Non-high growth SMEs: a discriminant analysis. Entrepreneurship and Regional Development, v. 19, p. 69-88, 2007.

MYERS, J. L.; WELL, A. D. Research design and statistical analysis. 2. ed. London: Lawrence Erlbaum Associates, 2003 apud MAROCO, J. Análise Estatística: com utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Sílabo, 2007.

NERI, M. C.; GIOVANINI, F. da S. Negócios nanicos, garantias e acesso a crédito. Rev. Econ. Contemp. [online], v. 9, n. 3, p. 643-669, 2005.

PENROSE, E. Teoria do crescimento da firma. Campinas: Unicamp, 2006.

PORTAL DO EMPREENDEDOR. Acesso em e 12.12.2015 e 25.11.2016. Estatísticas. Disponível http://www.portaldoempreendedor.gov.br/estatistica/lista-dos-relatorios-estatisticos-do-mei

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). (Org.); Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Brasília: SEBRAE, 2014.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). (Org.); Sobrevivência das empresas no Brasil. Brasília: SEBRAE, 2014.

SMALLBONE, D.; LEIGH, R.; NORTH, D. The characteristics and strategies of high growth SMEs. International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, v. 1, n. 3, p. 44-62,1995.

WESTHEAD, P.; COWLING, M. Family firm research: the need for a methodological rethink. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 23, n. 1, p. 31-56, 1998.

WIKLUND, J.; SHEPHERD, D. Aspiring for, and achieving growth: the moderating role of resources and opportunities, Journal of Management Studies, v. 40, n. 8, p. 19-41, 2003.

WOOD, A. A theory of profits. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal. v. 5, p. 171-180, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1980-3575 Revista Interatividade © 2013 Firb Editora - Faculdades Integradas Rui Barbosa