Sexta-feira, 03 de Julho de 2020 - 15:54:10

 

Metodologia


Um projeto de pesquisa é o que se tem presente para a implementação, de forma contínua, da Avaliação Institucional, no caso, procurando responder, permanentemente, questões fundamentais:

Qual é a identidade das FIRB? 

Qual é a sua missão?

Quais são os seus valores? 

Qual é a sua visão diante da sociedade atual?

Existe coerência entre o que a Instituição pretende alcançar e o que tem conseguido realizar? 

Que relação tem com a comunidade? 

Que visão das FIRB tem o seu público interno? 

Que ações têm sido desenvolvidas para se atingir sua missão? 

A Avaliação Institucional deverá:

a)  nortear a educação superior;

b)  contextualizar o processo educacional;

c)  proporcionar diagnóstico da situação real e atual;

d)  abrir canais de comunicação interna e externa;

e)  propiciar transformações.

Na linguagem oficial para consolidação do processo avaliativo da educação superior pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) instituído pela Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, em esquema pinçado do próprio INEP/MEC: 

- necessidade de promover a melhoria da qualidade da educação superior; 

- orientação da expansão da oferta;

- aumento permanente da eficácia institucional, da efetividade acadêmica e social e, especialmente, do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais. 


Princípios que norteiam intercessões entre avaliações quantitativas e qualitativas mantêm-se focados num ambiente dialético e interacionista. O ambiente educacional, por natureza, complexo, apresenta diversidade de interesses. Daí a opção por um sistema que não seja excludente, fechado em si mesmo, mas sedimentado no solo fecundo da dialética, implicando interação da avaliação quantitativa com a avaliação qualitativa. 

A Avaliação Institucional FIRB adota a metodologia mista. Na verdade, avaliam-se pessoas, mais que estrutura física e equipamentos. Por isso, opta pela triangulação (análise quantitativa, análise qualitativa, análise interpretativa), num processo de construção, reconstrução de ações, necessárias à sua plena realização. 

Opção pela pesquisa descritiva e explicativa

Em que pese à variedade dos tipos de pesquisa, a opção pela pesquisa descritiva e explicativa, quanto aos fins, fundamenta-se no entendimento de que pesquisa descritiva expõe as características de determinada população ou fenômeno, estabelece correlações entre variáveis e define sua natureza. O objetivo é descrever um fato ou fenômeno evidenciando características conhecidas. O foco dos estudos descritivos reside no desejo de se conhecer uma comunidade, seus traços características, seus problemas, seu mercado. 

A pesquisa explicativa visa esclarecer os fatores que contribuem, de alguma forma, para a ocorrência de determinado efeito ou, mesmo, determinam as próprias ocorrências. Sem dúvida, trata-se de um modelo complexo e delicado, em que há sempre riscos de distorções, preconceituosamente ou por limitações dos próprios envolvidos.

Identificar a realidade das FIRB, conhecer os rumos tomados, propor alternativas, corrigir desvios, buscar a qualidade de todos os serviços prestados demandam ações, riscos e posturas de um pesquisador que tem o compromisso constante com a comunidade e com o que vai ser pesquisado.

Análise Quantitativa

A avaliação quantitativa mede, compara, classifica. Para efeito de análise quantitativa, as FIRB se propõem fazer Avaliação Institucional com base em indicadores estabelecidos em entrevistas e em questionários constituídos de questões fechadas para serem respondidos por todos os segmentos da comunidade acadêmica. Os questionários destinados aos corpos docente, discente e técnico-administrativo serão utilizados na formatação eletrônica, com senhas específicas para acesso. Os questionários destinados ao corpo discente colherá informações de 25% do universo existente nesta Instituição em 2008. As FIRB contam com a equipe da Comissão Própria de Avaliação para elaboração dos questionários e com o seu Laboratório de Informática para o tratamento tecnológico. Os questionários destinados ao corpo técnico administrativo e de apoio administrativo serão apresentados em forma de entrevista. 

Também serão feitas pesquisas documentais: projetos, atas, relatórios institucionais e de órgãos externos (MEC, INEP), etc.

A análise dos dados quantitativos será primeiramente descritiva e, num segundo momento, considerações gerais sobre os resultados.

Análise Qualitativa

Haverá números. Haverá gráficos. Todavia, serão indicadores para se interpretar a realidade humana, do ponto de vista social, psicológico, ético, político, econômico, histórico, filosófico, científico, enfim, numa gama de complexidades por vezes impermeável ao mais arguto estatístico. Gestores e educadores hão de apontar caminhos, (re)nortear a direção, numa postura consciente da noção dessa complexidade, procurando superar radicalismos, admitir pluralidade de lógicas, articular significados múltiplos que contribuam para a consecução da missão e da responsabilidade social das FIRB.

Prevê-se, para a Avaliação Institucional, no que se refere à etapa da auto-avaliação a realização de questionário semi-estruturado em painel eletrônico com alunos da graduação para responderem questões relacionadas com a qualidade do curso e o grau de satisfação dos alunos. 

Entrevistas semi-estruturadas com corpo técnico administrativo e com o corpo de apoio administrativo, da mesma forma, fazem parte do universo da Avaliação Institucional. 

Relatório final será elaborado, tendo como objetivos a organização dos dados coletados e a interpolação dos diferentes instrumentos de avaliação, quantitativos e qualitativos.